Dicas essenciais para não se deixar enganar com dietas

Nutricionista dá 4 dicas que vão te ajudar a não ser enganado por dietas e alimentos pobres em nutrição! Confira e anote as recomendações

dicas alimentação
Foto: Reprodução / Shutterstock

Diariamente nos deparamos com estudos  que condenam alguns alimentos, glorificam outros e, logo em seguida, novas pesquisas são divulgadas desmentindo as conclusões anteriores. Pensando nisso, o nutricionista Daniel Barreto de Melo, da Doctoralia, deu algumas recomendações de como ter bons hábitos alimentares e evitar  produtos que podem prejudicar a saúde:

dicas alimentação

Foto: Reprodução / Shutterstock

Leia também: Netshoes Fun Race reúne mais de 4 mil pessoas

Saiba tudo que rolou na Arnold Classic 2017

1. Não se engane com alimentos de boa fama

Algumas dicas de alimentação que já fazem parte do senso comum, também podem causar efeitos negativos ao organismo se ingeridos em excesso. O alto consumo de fibras, muito adotado por pessoas que fazem dietas, pode levar não só à constipação (intestino preso) como também a uma menor absorção de algumas vitaminas e minerais. Mesmo as frutas,  consideradas totalmente saudáveis, devem ser consumidas com moderação. A maioria delas são ricas em açúcares simples e seu excesso promove o ganho de peso e algumas desordens metabólicas.

2. Diversifique seu cardápio

Dietas restritivas, como as que eliminam o carboidrato do cardápio, são muito divulgadas e praticadas, porém essa prática pode causar deficiências nutricionais  sérias. A diversidade alimentar é fundamental para que sejam ingeridas as quantidades adequadas de vitaminas, minerais e compostos bioativos dos alimentos. Além disso, limitar as opções pode causar monotonia alimentar e diminuir a percepção de que a alimentação deve ser, além de saudável, prazerosa.

3. Evite alimentos com altas quantidades de compostos químicos

Alimentos fontes de gordura trans, nitritos, nitratos e outros, consumidos com frequência, mesmo que em quantidades pequenas, fazem mal a saúde. Neste ponto é que entram a maioria dos alimentos industrializados e daqui surgem as recomendações de se preferirem os alimentos minimamente processados, caseiros, naturais, etc. Alguns produtos que são muito comuns no dia a dia, como a maioria dos biscoitos e bolachas, sorvetes, bolos prontos, diversos alimentos congelados, embutidos em geral, refrigerantes, alimentos coloridos artificialmente, caldo de carne, entre outros.

Além desses, legumes, vegetais e frutas também merecem atenção. De acordo com estudos da Anvisa, o Brasil é maior consumidor de agrotóxicos do mundo, sendo que muitos alimentos apresentam substâncias químicas acima do permitido. Esses compostos químicos são absorvidos e armazenados no corpo, impedindo seu funcionamento adequado.

4. Crie o hábito de ler as embalagens

Muitos produtos vendidos como saudáveis também podem mascarar ingredientes prejudiciais à saúde, como é o caso dos biscoitos integrais, que algumas vezes contém mais açúcar do que fibra em sua composição. A indústria de alimentos costuma utilizar farinha de trigo integral junto à branca, então o produto ganha fibras e outros nutrientes, mas de forma limitada, nem sempre sendo realmente saudável. Outro exemplo é o suco de caixinha, se for néctar de fruta,  significa que tem apenas de 20% a 40% de suco e o restante é composto de água, açúcar e aromatizante. Mesmo quando não se enquadram nesta categoria, os que realmente são sucos costumam perder uma quantidade considerável de nutrientes, durante o processo de pasteurização e envasamento, o que torna os sucos feitos na hora as melhores opções. Diante disso tudo, é importante saber que algumas marcas são mais cautelosas com o consumidor e produzem versões realmente saudáveis desses alimentos. É preciso se criar o hábito de ler rótulos, para que sejam feitas sempre as melhores escolhas.

Gostou das dicas? Compartilhe com seus amigos nas suas redes sociais! 

Recomendadas para você