Sedentarismo pode afetar produção hormonal; 5 motivos para se mexer mais

Descubra como a falta de atividades físicas pode prejudicar a sua qualidade de vida e bem-estar

Sedentarismo pode afetar produção hormonal
Sedentarismo pode afetar produção hormonal / Foto: Shutterstock

Você sabia que o sedentarismo pode afetar a produção hormonal do seu organismo? Pois é, a falta de exercícios físicos na rotina semanal, além de facilitar o acúmulo de gordura corporal, pode influenciar negativamente em diversas outras questões de saúde. Um tema que, portanto, merece uma grande atenção de todas as pessoas que prezam por um estilo de vida saudável. Ainda mais nos tempos de pandemia.

Não é novidade que a Covid-19 foi responsável direta por alterar a vida de, praticamente, todas as pessoas do mundo. Hábitos comuns, como ir ao cinema, frequentar um estádio de futebol ou simplesmente visitar pessoas queridas, se tornaram atitudes perigosas e até mesmo proibidas em algumas ocasiões.

Medidas necessárias para afastar o risco de possíveis aglomerações e uma disseminação ainda maior do coronavírus que, de acordo com o consórcio de veículos de imprensa e dados das secretarias estaduais de saúde, já matou mais de 600 mil pessoas, apenas no Brasil. Tudo isso fez as pessoas passarem mais tempo em casa e longe de atividades físicas simples, como subir e descer escadas ou caminhar até o restaurante mais próximo na hora do almoço.

Fatores que aumentaram significativamente o número de pessoas sedentárias e que pode gerar um efeito perigoso a curto e médio prazo. Para alertar sobre os riscos que a falta de atividades físicas pode provocar em nosso organismo, separamos os cinco principais motivos para começar a se mexer novamente. Confira:

1. Sedentarismo engorda e mata

A falta de exercícios físicos reduz o gasto calórico diário e, dessa maneira, favorece o acúmulo de gordura corporal. Com o passar do tempo, essa sobra pode se transformar em sobrepeso e até mesmo obesidade. A partir desse momento, o organismo fica mais suscetível ao aparecimento de complicações cardiovasculares e diabetes.

Para evitar tudo isso, além de realizar atividades físicas regulares, a nutricionista do Centro Universitário de Brasília (CEUB), Paloma Popov Custódio, também alerta para a importância de uma dieta balanceada. “Você é o que você come. Quando falamos em uma alimentação com qualidade nutricional, não há fórmula mágica, porque cada um tem uma necessidade diferente, cada um tem a sua individualidade”, conta.

2. Prejudica a saúde mental

A realização de exercícios físicos estimula a produção de inúmeros hormônios do bem-estar. Já vimos, inclusive, que a musculação pode liberar mais de 600 substâncias benéficas para o organismo. Quando você é uma pessoa sedentária, nada disso acontece.

“Você vai liberar uma substância natural produzida pelo cérebro chamada endorfina! Essa substância vai te deixar mais motivado e mais disposto, causando uma sensação muito melhor para realizar as atividades cotidianas. Além de desfrutar de relaxamento e diminuição do estresse com o dia a dia, o que causa maior distração de estímulos depressivos”, afirma o educador físico Márcio Oliveira.

3. Sedentarismo pode afetar produção hormonal

Conforme vimos, a realização de atividades físicas estimula a produção hormonal do corpo. Fator que, de acordo com Márcio, além de causar sensação de bem-estar e relaxamento, influencia diretamente na forma fisiológica e psicológica do indivíduo. Tanta em homens, como em mulheres, a fuga do sedentarismo melhora a função endócrina e aumenta a qualidade de vida.

4. Exercícios melhoram a capacidade cognitiva

A atividade física pode prevenir algumas doenças neurológicas e autoimunes, como esclerose múltipla, AVC e Alzheimer. Além de fortalecer as funções cardíacos do organismo.

“Com o exercício físico é possível reduzir o risco cardiovascular e melhorar os níveis de LDL, que a longo prazo propicia uma melhora na cognição. Estudos recentes mostram que durante a atividade física é liberada uma substância chamada irisina, que foi comprovadamente preventiva para o Alzheimer”, explica a neurologista do Hospital Anchieta de Brasília, Priscila Proveti.

5. Sedentários vivem menos

Quem pratica exercícios físicos tende a aumentar a sua longevidade. “Se a gente executa algum movimento, alguma atividade física, algum exercício físico, isso faz com que nossas células vão rejuvenescendo, além de incluir diversos benefícios cardiorrespiratórios, aumento da densidade mineral óssea e diminuição do risco de doenças crônico-degenerativas”, finaliza o educador físico, Márcio Oliveira.

Os comentários estão desativados.

Recomendadas para você