Connect with us

O que você está procurando?

(+) Esportes

Mulheres na Ultra: Andréa Vidal e as emoções de uma ultramaratona

Andréa fala sobre a contagiante energia que sente nas maratonas, na última parte da nossa série

Andrea Vidal, ultima atleta da serie Mulheres na Ultra
Foto: Arquivo Pessoal
[PAGE TITLE]

Ao longo dos últimos dias conhecemos as histórias de mulheres que se aventuram em ultramaratonas e mandam muito bem! Todas diferentes, com suas próprias dores, alegrias, sonhos e rotinas, mas que conseguem tempo para treinar e viver o sonho de conquistar suas metas no esporte.

Na última parte da nossa série, você conhece Andréa Vidal, 39 anos, advogada, mora em Belo Horizonte (MG). Conquistada pela energia contagiante dos corredores, Andréa foi evoluindo ao longo dos anos e segue vivendo a inexplicável sensação de uma maratona. Confira:

Andrea Vidal, ultima atleta da serie Mulheres na Ultra

Foto: Arquivo Pessoal

“Certa vez, encontrei meu marido (na época, namorado) correndo em Belo Horizonte com uma mulher muito bonita. Resolvi começar a correr para poder acompanhá-lo. Só depois descobri que a mulher era prima dele! Desde então, não parei mais de correr – e isso foi há 20 anos.

No início, intercalava corrida e caminhada, até conseguir correr entre 5 km e 6 km. Não tive auxílio de profissionais no início. Não era fácil, mas eu estava começando a gostar. Em 2008, fiz minha primeira prova de rua de 10 km e adorei.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Antes de 2013, nunca havia pensado em correr uma ultra. Afinal, havia feito minha primeira maratona somente em 2012. Meu marido resolveu correr a Comrades (ultramaratona de 89 km na África do Sul) e fui acompanhá-lo. Fiquei esperando na chegada, impressionada com a organização e a energia do povo sul-africano, vibrando e torcendo pelos corredores. Quando um senhor que estava correndo caiu a 150 m da linha de chegada, um brasileiro parou ao seu lado, aplicou na perna dele um spray que tirou do bolso, fez massagem e falou: “Vem, eu te levo até a linha de chegada”. Depois disso, tudo mudou. Eu precisava fazer essa prova!

VEJA TAMBÉM:

4 provas de corrida pela América Latina para conhecer

Mulheres na ultra: Karina Bozoli superou o câncer com o esporte

Advertisement. Scroll to continue reading.

Os treinos eram muito desgastantes, com no mínimo 18 km, às terças e quintas. Às sextas, dormia cedo e acordava às 4h da manhã no dia seguinte para os longões de até 65 km. Tive que deixar de participar de alguns eventos familiares e de amigos, pois não podia perder os treinos.

A Comrades foi a melhor de todas as provas! A energia do povo durante todo o trajeto faz você querer continuar. Ao entrar no local da chegada, não me contive. Era uma festa, as pessoas gritavam e vibravam com a passagem dos corredores. Ao avistar meu marido, chorei muito. A emoção é indescritível! Foi uma felicidade única receber a menor medalha que já ganhei, mas a mais importante de todas, sem dúvida.

Recentemente, completei a minha quinta ultramaratona. Com exceção da primeira, todas as minhas ultras foram de trilha. Ainda vou fazer mais uma de 73 km no Chile, no dia 10 de dezembro. Com certeza a de que mais gostei foi a Comrades, não só por ser a primeira, mas pela energia da prova – não tem igual!”

Advertisement. Scroll to continue reading.

Texto e Pesquisa: Amanda Preto e Gabriel Gameiro | Edição: Victor Moura

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Advertisement

Você também vai gostar

Fitness

Treinadora conta o segredo para conseguir aumentar o gasto calórico sem precisar sair de casa

Nutrição

Além de saudável, alimento consegue aumentar a força do organismo em vários sentidos

Corrida

Problema é comum entre corredores e precisa de paciência para ser resolvido

Fitness

Treinador explica como priorizar o músculo com eficiência e sem passar do ponto