Alimentação na gravidez: sugestão de cardápio e ingredientes para evitar

O acompanhamento nutrológico é importante tanto para a mãe quanto para o bebê

Alimentação na gravidez: na foto, a barriga de uma mulher grávida parcialmente à mostra, enquanto ela segura uma maçã com a mão apoiada no ventre
Foto: Reprodução/Freepik

Os nove meses de uma gestação são um período de adaptação e descobertas, no qual o bem-estar da mãe e do bebê devem ser prioridade. A mulher tem o seu corpo transformado para gerar uma vida e o pequeno recebe nutrientes por meio da mãe para que o seu crescimento aconteça de forma positiva. Por isso, a alimentação na gravidez deve ser pensada com cuidado.

“Manter um estado nutricional adequado e um ambiente intrauterino saudável são fatores que contribuem para o bom desenvolvimento fetal”, afirma Eline Soriano, médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). A profissional recomenda que a alimentação na gravidez deve ser à base de proteína, ômega 3, cálcio, fibras e ferro. “A dieta deve conter macronutrientes, como os carboidratos, lipídios e proteínas, e micronutrientes, como vitaminas e minerais”, completa.

Alimentação na gravidez: o que evitar?

O que comer? 

Eline Soriano indica opções para cada refeição:

Café da manhã

1 fruta + 200 ml de café com leite desnatado ou suco sem coar; chá + 2 fatias de pão de forma integral ou 1 pão francês integral; 1 rodela média de inhame, batata doce ou tapioca com queijo branco + 1 fatia de queijo branco (ricota, cottage); ovo ou 1 castanha-do-pará + 4 amêndoas + 2 damascos + ½ noz.

Lanche da manhã

1 fruta; 4 bolachas integrais; 200 ml de iogurte natural ou coalhada desnatados; 1 taça de salada de fruta; 1 copo de leite ou 1 fatia de queijo branco.

Almoço

Legumes cozidos (sem batata) + 4 colheres de sopa de arroz integral; 1 prato raso de macarrão integral + 4 colheres de sopa de feijão ou grão de bico ou lentilha. Para as carnes, as vermelhas duas vezes por semana, frango e peixe, cinco vezes. A porção deve ser do tamanho da palma da mão. Suco de frutas podem ser ingeridos após 30 minutos da refeição.

Lanche da tarde

Escolher uma das opções do lanche da manhã.

Jantar

As mesmas indicações do almoço ou café da manhã. Outra sugestão é sopa de legumes com frango, 2 torradas integrais ou crepioca recheada de verdura com atum ou queijo branco ou peito de peru.

Ceia

Escolher umas das opções do lanche da manhã.

Atenção!

Alimentação na gravidez. Foto que mostra a barriga de uma mulher grávida, enquanto ela come salada

Foto: Reprodução/Freepik

“Uma alimentação saudável contribui para a prevenção de diversas doenças”, alerta a especialista. “Durante a gestação, existe uma programação metabólica que ocorre no feto. Um meio intrauterino inadequado desencadeia patologias como diabetes, hipertensão arterial, obesidade, dislipidemias e doenças cardiovasculares”, explica.

Segundo a profissional, o consumo excessivo de calorias e o ganho de peso também são fatores que merecem monitoramento. “Não se deve seguir o ditado popular que diz que a gestante deve comer por dois. Estudos mostram que, no 1º trimestre da gravidez, o valor calórico deve ser igual ao indicado para a população adulta não gestante; no 2º trimestre, deve-se aumentar em torno de 300 a 340 calorias por dia, e, no 3º trimestre, em 150 calorias diárias”.

Texto e edição: Érika Alfaro | Edição: Eline Soriano, médica nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN)

 

Os comentários estão desativados.

Recomendadas para você