Musculação pode melhorar rendimento na corrida

Ganho de massa muscular previne lesões, melhora rendimento e contribui para o emagrecimento

Musculação e Corrida
Foto: Shutterstock

Musculação e corrida, por muito tempo, foram consideradas atividades antagonistas no imaginário popular. Ainda é muito comum encontrar pessoas que amam correr, mas detestam levantar peso na academia. Seja por preguiça, falta de informação, ou por não gostarem da prática mesmo.

Existe também quem tem medo de ficar muito musculoso e perder mobilidade, agilidade e velocidade. Mas, na verdade, a musculação – quando bem orientada – pode potencializar esses recursos fundamentais para a corrida. Além de prevenir lesões, acelera o metabolismo, promove uma maior queima de calorias e, consequentemente, auxilia na perda de gordura.

Incluir musculação na rotina também permite que o corredor consiga treinar ainda mais. É o que explica José Carlos Fernando, diretor esportivo da Ztrack – Esporte e Saúde. “O trabalho de força muscular colabora em vários fatores. Trazendo maior resistência muscular para poder suportar treinos ou provas mais longas, tolerância a carga repetitiva para poder sustentar o ritmo desejado de uma corrida por mais tempo, além de preparar de forma geral músculos e tendões para a carga dos treinos semanais evitando lesões”.

Como conciliar a agenda semanal de treinos de corrida com musculação?

Para que esse resultado satisfatório aconteça, é preciso planejamento. É normal que corredores desistam da musculação após um tempo, justamente, por falta de organização. E o erro pode ser tanto para mais, como para menos. Ir para a academia só quando estiver afim e realizar um treino fraco não vai mudar muita coisa. Por outro lado, exagerar na carga de treinos pode gerar lesões e impedir a evolução.

A recomendação do professor José Carlos é alternar os treinos de corrida e musculação. Adicionar um intervalo suficiente para a recuperação do organismo é fundamental para se manter longe de lesões. “Normalmente o conselho é o de se realizar o trabalho de força intercalado com o de corrida pois o corpo precisa estar recuperado de um treino para poder realizar o outro. Porém, se por algum motivo não for possível essa distribuição e for necessário ser realizado um treino de força no mesmo dia da corrida, este deve ser executado com uma diferença mínima de 12 horas e de uma forma mais leve, evitando exigir demais das estruturas musculares”.

É importante treinar o corpo todo

Erro comum dos corredores que entram na academia é priorizar apenas os membros inferiores. Já vimos por aqui a importância de treinar todos os músculos do corpo de forma equivalente. Ter o físico trabalhado por completo, além de causar um equilíbrio estético, previne lesões, melhora o rendimento e estabiliza o eixo hormonal.

Mas, sobretudo para os corredores, focar apenas nas pernas não é uma boa ideia, já que a região abdominal também é muito exigida durante a corrida. “Seria injusto eu dizer que os membros inferiores devem ser priorizados, pois a região do core é encarregada de sustentar todo o corpo na corrida e o tronco deve manter uma postura adequada para que o corredor não tenha nenhum prejuízo mecânico”, conta José Carlos.

A recomendação é realizar um trabalho geral no começo e depois, com auxílio de um profissional, identificar as carências do corpo e corrigi-las aos poucos. É natural que cada corredor tenha um ponto fraco diferente do outro. “A programação de força passa por várias fases, onde primeiramente se tem um trabalho mais geral e depois se entra em um processo mais específico e que deve ser personalizado pois cada corredor tem uma característica funcional e mecânica”.

Para quem tem medo de ficar muito musculoso e perder mobilidade, acredite: ganhar tantos músculos não é tão fácil assim. Para ficar forte e volumoso é necessário um trabalho específico, que envolve periodização de treinos, dieta adequada, descanso e muita constância. A própria corrida vai impedir que o peso suba a ponto de prejudicar o rendimento.

Musculação emagrece?

É comum que as pessoas comecem a correr com o objetivo de perder peso na balança. E isso está correto, a corrida é uma ótima forma de aumentar o gasto calórico e reduzir a gordura corporal. Porém, o que algumas pessoas não sabem, é que aliar o exercício aeróbico com musculação pode potencializar esse processo e, em alguns casos, evitar a flacidez da pele.

O ganho de massa muscular acelera o metabolismo e faz o corpo consumir mais energia. Consequentemente, aumenta a queima de gordura. Além disso, a pele das pessoas que saíram de um quadro de obesidade costuma ficar flácida. Isso, geralmente, acontece quando se perde peso muito rápido. E a melhor maneira para evitar ou, ao menos retardar esse efeito, é substituir a gordura que estava presente no corpo por massa muscular. Algo que ressalta ainda mais a importância da musculação.

Os comentários estão desativados.

Recomendadas para você