Hiperidrose: como lidar com o suor excessivo

É normal suar muito durante as atividades físicas, em um dia de calor ou durante algo que provoque ansiedade ou estresse. Mas se o suor excessivo surgir com frequência, pode ser sinal de que você transpira mais do que deveria

Homem exausto e suando muito
Foto: iStock/Getty Images

A hiperidrose possui alguns sintomas que às vezes passam despercebidos: manchas que aparecem nas roupas, especialmente debaixo dos braços. Gotas escorrendo pelo rosto quando queremos parecer calmos e confiante. Aquela poça que se forma sobre a esteira depois da corrida. Com tudo isso, ou com o cheiro desagradável no final do dia, o suor pode nos colocar em situações embaraçosas. É normal suar, mas o excesso nessas situações precisa de atenção.

Apesar de ser desconfortável, a transpiração é importante. É graças a esse líquido transparente que a temperatura do corpo é regulada. O processo é bem simples e eficaz. Quando o organismo começa a ficar muito aquecido, o sistema nervoso manda uma mensagem para as mais de 3 milhões de glândulas espalhadas pela derme, a camada intermediária da pele, para que elas liberem a transpiração. Quando evapora, ela carrega para a atmosfera parte desse calor.

Homem exausto e suando muito

Foto: iStock/Getty Images

Se você é do tipo que acaba o treino com a camiseta ensopada enquanto a maioria dos seus companheiros de malhação está apenas com a face brilhante, não se preocupe. A intensidade da transpiração varia muito de pessoa para pessoa. De forma geral, os homens suam mais do que as mulheres. Isso porque as glândulas masculinas são mais ativas do que as femininas. Isso vale também para pessoas com o índice de massa corpórea (IMC) alto, já que precisam se esforçar mais para se movimentar.

VEJA TAMBÉM: Como treinar no verão com segurança

Além disso, alguns estudos têm indicado que a turma que se exercita com frequência também tende a transpirar mais. O corpo vai aprendendo a suar de maneira mais eficiente, especialmente durante a atividade física. Outro fator que exerce uma grande influência são as nossas emoções. “Situações que geram estresse e ansiedade, por exemplo, fazem com que o corpo se prepare para encarar um possível perigo, o que leva ao aumento no estímulo da eliminação de suor”, explica o cirurgião torácico Laert de Oliveira Andrade Filho, da unidade do Morumbi do Hospital São Luiz (SP) e também integrante da Clínica do Suor, que reúne especialistas no assunto.

Como lidar com tanto suor?

Não há um jeito de acabar de vez com o suor. Inclusive, isso não seria nada saudável, mas existem formas de amenizá-lo. As mudanças devem começar pelo cardápio. A cafeína e os alimentos apimentados, por exemplo, estimulam o sistema nervoso central, ativando as glândulas sudoríparas. Já as bebidas alcoólicas dilatam os vasos sanguíneos, o que leva a um aumento da temperatura corporal e, por tabela, da transpiração.

Mulher cansada e suada no parque

Foto: iStock/Getty Images

“O consumo de fontes de proteína em excesso, de alimentos ricos em enxofre (lentilha e feijão, por exemplo) e de muito alho deve ser evitado nesse caso, pois intensifica o odor desagradável provocado pela transpiração”, alerta a dermatologista Inaê Cavalcante, da DOM Medicina Personalizada, em São Paulo. O fumo também tem esse efeito. “Por outro lado, as fontes de clorofila como o agrião e a rúcula ajudam a neutralizar o cheiro; e a ingestão de frutas, legumes, cereais integrais e água melhoram as funções metabólicas, reduzindo o estresse corporal e, por tabela, o volume da sudorese”, explica a dermatologista.

Utilizar roupas feitas com tecidos que facilitam a evaporação do suor e trocar o desodorante por um antitranspirante são atitudes que também ajudam. O primeiro apenas mascara o odor da transpiração, enquanto o segundo consegue reduzir a quantidade desse tipo de líquido liberada pelo corpo. “O ideal é optar pelos produtos com uma quantidade maior de sais de alumínio (cloridrato de alumínio e hidróxido de alumínio), já que são eles os responsáveis por essa ação, ou lançar mão de uma fórmula manipulada”, diz Inaê. Eles podem ser aplicados também em outras partes do corpo, como a virilha e os pés. Quem tem pele sensível deve tomar cuidado com fórmulas muito perfumadas ou ricas em álcool.

Quando o excesso de suor pode ser sinal de problema

Cerca de 6 milhões de brasileiros sofrem com a chamada hiperidrose. Essa doença faz com que as glândulas sudoríparas trabalhem excessivamente o tempo todo, levando a pessoa a transpirar mais do que deveria. Especialmente nas mãos, nos pés, nas axilas e no rosto. Os especialistas ainda não sabem explicar exatamente o que leva ao aparecimento desse problema. Ele pode dar as caras nas mais variadas situações, durante o repouso ou mesmo quando o clima está ameno, fazendo com que o indivíduo enfrente situações constrangedoras e, em casos mais extremos, comece a sofrer com fobia social e tenha que mudar de profissão.

Mulher suada

Foto: iStock/Getty Images

“Existe também um tipo de hiperidrose chamada de secundária, que é desencadeada por fatores como medicamentos, doenças da tireoide e alterações hormonais”, conta Eduardo Werebe, cirurgião geral do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo. “Infelizmente não há um exame para diferenciar uma da outra. Por isso, utilizamos as características típicas da hiperidrose primária, a localização do problema, o início dos sintomas, a hereditariedade, o sono e os estímulos emocionais como parâmetros”, conta Werebe. Independentemente do caso, se o seu suor é um incômodo muito grande, seja pela quantidade ou pelo odor, o ideal é procurar um médico para que ele faça uma avaliação e recomende o melhor tratamento.

As armas contra a hiperidrose

Veja alguns dos tratamentos que podem ser utilizados para combater o problema:

Antitranspirantes:

Versões mais potentes são usadas para controlar a sudorese excessiva.

Medicamentos:

Algumas substâncias que ajudam a impedir a estimulação das glândulas sudoríparas são bem eficazes, mas não são receitadas com frequência porque desencadeiam muitos efeitos colaterais, como boca seca e tonturas.

Iontoforese:

Utiliza eletricidade para “desligar” temporariamente as glândulas ligadas à transpiração. É uma opção mais eficaz para as mãos e os pés.

Toxina botulínica:

Pode ser aplicada nas axilas, mãos e pés para bloquear temporariamente os nervos que estimulam a liberação do suor.

Simpatectomia torácica endoscópica (STE):

Trata-se de um procedimento cirúrgico minimamente invasivo realizado próximo às costelas. A STE desliga o sinal que manda ao corpo a mensagem de suar excessivamente. É recomendada em casos extremos e quando os outros tratamentos falham. É mais indicada para combater o problema nas mãos e no rosto e não funciona muito bem nas axilas. “Por isso, pode ser feita com uma espécie de raspagem das glândulas do suor que se concentram embaixo dos braços”, conta Eduardo Werebe.

Texto e Pesquisa: Thais Szegö | Edição: Victor Moura

Os comentários estão desativados.

Recomendadas para você