Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Harry Thomas

Respeito aos costumes locais

Cometi alguns micos “graves” nessas poucas incursões ao exterior

Foto: Shutterstock

Com a globalização ocorrida a partir da década de 1990, viajar para o exterior, entre os corredores, virou algo natural. Comecei a competir em 1994 e em novembro de 1996 corri minha terceira maratona, sendo essa a Maratona de Buenos Aires, onde apesar do forte calor, consegui mandar umas 3h12min.

Argentina, Chile, Egito, Estados Unidos, Grécia e Itália foram alguns dos lugares em que tive o prazer de dar minhas passadas.

Setembro corro na Ásia, meu quarto continente, depois da África, América e Europa.

Estou fazendo uma lição de casa para evitar alguma gafe no Japão, destino da minha próxima viagem. Óbvio que estudo as básicas. Lá deve-se tirar o calçado e ficar de meia ou descalço em ambientes que assim exijam. Me curvar como agradecimento é outra regrinha cultural. Oferecer um presente ou mesmo entregar um cartão de visita segurando nas pontas com as duas mãos é outro sinal de respeito.

Sim, não quero ser indelicado. E olha, quando fui ao Egito nem sabia que para meus caros árabes era um insulto mostrar a sola do sapato. A BBC em uma reportagem diz: “Na cultura árabe, o simples ato de mostrar a sola do sapato a outro ser humano é considerado grosseiro”.

Cometi alguns micos “graves” nessas poucas incursões ao exterior. A primeira em 1997 quando fui correr a Maratona de Nova York e ao entrar no táxi conduzido por um motorista indiano, abri a porta da frente e lá sentei quando 99%  dos passageiros sentam no banco de trás respeitando a divisória blindada entre os bancos. O pior de tudo foi ao descer. Solenemente paguei o cobrado no taxímetro e não inclui os 10% de gorjeta, algo que na cidade dos Cabs é “obrigatório”.

Mas nada se comparou à gafe que ocorreu na cidade de Puerto Iguazu, na Argentina, para correr a bela Media Maraton del Iguazu a convite do competente Diego Cannestraci, idealizador do circuito Run Argentina, composto por quatro meias maratonas sendo uma delas, na minha opinião, a mais linda do mundo.

Pois bem. Chego na entrega do kit, cumprimento todos e tiro algumas fotos com meus amigos organizadores. Quando olho no visor da câmera, lá estava ela estampada em três cores na minha camiseta: a bandeira da Inglaterra, país que tecnicamente está em guerra com nossos hermanos em disputa pelas Ilhas Malvinas.

Constrangido peço desculpas, coloco uma blusa por cima e peço para repetir as fotos.

Respeitar a cultura local é tudo!

Escrito por

Harry Thomas Jr. tem 50 anos e é corredor maratonista desde 1995. Já completou 27 maratonas, sendo três sub 3h, além de duas ultratrails. Pioneiro no Brasil na criação de sites especializados em corridas de rua, é colunista e blogueiro da Sport Life Brasil.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement

Últimas Noticias

Nutrição

Essa fruta costuma estar no cardápio de uma pessoa que quer emagrecer

Nutrição

É mais uma boa opção para quem quer emagrecer

Nutrição

Consumo que traz efeitos satisfatórios em longo prazo

Treinos

Esse tema está sujeito a novos desdobramentos

Nutrição

Outra tese para reforçar a preocupação na hora de "petiscar"

Saúde

Lembre-se que a paciência impacta na conquista de resultados

Advertisement

Você também vai gostar

Corrida

Muitos definem a corrida como “exercício do prazer”

Saúde

É o conjunto de teses que reforça o trabalho multidisciplinar para prática segura

Saúde

Modalidade também é conhecida como “exercício do prazer”

Corrida

Todo cuidado é importante antes do exercício