Connect with us

O que você está procurando?

Busca

Saúde

Exercícios físicos podem reduzir a evolução do Alzheimer, apontam estudos

Diferentes pesquisas mostram que a prática de exercícios físicos reduz o desenvolvimento de doenças neurodegenerativas

Exercícios físicos podem reduzir a evolução do Alzheimer, apontam estudos
Exercícios físicos podem reduzir a evolução do Alzheimer, apontam estudos / Foto: Shutterstock

Os exercícios físicos são ótimos aliados da saúde. Eles não só reduzem as chances de depressão, mas são capazes de proteger o cérebro contra danos neuronais. Além disso, manter-se em movimento  melhora a capacidade de cognição, mesmo de pessoas que já apresentam algum tipo de demência em fases iniciais. Estudos recentes comprovam que abandonar o sedentarismo é eficaz até mesmo para atenuar sintomas de quem já possui doenças neurodegenerativas, como o Alzheimer.

A médica psiquiatra Dra. Jéssica Martani, explica como os pesquisadores chegaram nessa conclusão. “A principal teoria é sobre o Fator Neurotrófico Derivado do Cérebro (BDNF), que desempenha um papel central na neurogênese e plasticidade sináptica. Esta é a capacidade de produzir novos neurônios e novas conexões entre as diversas regiões do cérebro”, esclarece.

O exercício físico aumenta os componentes BDNF neurobiológicos que protegem contra depressão e combatem inclusive a perda de memória em pacientes com demência. “Tudo isso porque o BDNF pode atenuar a atrofia do hipocampo, principal local relacionado à memória. Isso diminui o risco de progressão para Alzheimer”, explica.

Segundo o American College of Sports, a prática regular de exercícios físicos, em torno de 150 minutos por semana com moderada intensidade, já seriam suficientes para proporcionar benefícios para a saúde como um todo.

Caminhada é um dos exercícios físicos mais indicados

Um outro estudo, publicado recentemente na revista científica JAMA Neurology, apontou que caminhar entre 3.800 e 9.800 passos por dia ajuda a reduzir o risco de demência. Na pesquisa, cientistas dinamarqueses e australianos acompanharam mais de 78 mil pessoas por sete anos, todas com idades entre 40 e 79 anos.

Os resultados mostraram que pessoas com idades entre 40 e 79 anos que deram 9.826 passos por dia apresentaram uma redução de 50% no risco de desenvolver demência nos próximos sete anos. Mas uma caminhada menor também mostrou benefícios: aquelas que andaram aproximadamente 3.800 passos reduziram o risco de demência em 25%.

Além da quantidade, a intensidade da caminhada é outro fator importante na prevenção de doenças neurodegenerativas. O estudo mostrou que as pessoas que andavam a um ritmo superior a 40 passos por minuto, por exemplo, apresentaram redução de 57% no risco de demência com apenas 6.315 passos diários. No entanto, a maior redução na probabilidade da doença, 62%, foi alcançada por pessoas que caminharam em um ritmo muito rápido de 112 passos por minuto, durante meia hora por dia.

Escrito por

Advertisement

Últimas Noticias

Nutrição

O equilíbrio ajuda a manter esse tipo de alimento na dieta balanceada

Nutrição

São alimentos que precisam ser consumidos com moderação

Nutrição

Ambas bebidas podem oferecer alto teor de açúcar

Emagrecimento

Muitos profissionais dizem que é impossível dizer qual que se sobressai

Nutrição

Veja como algumas simples opções naturais podem promover um bom efeito anabólico no corpo

Treinos

O intuito desse conjunto de dicas é evitar que algumas falhas passam despercebidas

Advertisement

Você também vai gostar

Condicionamento Físico

Uma série que vai contribuir com a busca pelo shape inexplicável no carnaval

Treinos

Essas modalidades ajudam no emagrecimento com alimentação saudável e hidratação

Treinos

Treinar corretamente vai muito além de apenas seguir a ficha prescrita pelo instrutor

Treinos

A lista serve para acabar com a desculpa de "falta" de tempo