Connect with us

O que você está procurando?

Busca

(+) Esportes

Psicobloc: a escalada sem proteção e com quedas bem-vindas

A modalidade de escalada em que cair também pode ser um grande barato já tem adeptos no Brasil. Conheça o Psicobloc, um desafio e tanto para os nervos

psicobloc
Foto: Red Bull

Já pensou em escalar uma rocha de mais de 10 metros de altura usando apenas as mãos e as pernas? Isso não só é possível, como praticado por vários malucos ou corajosos, dependendo do ponto de vista, espalhados pelo planeta. Proteção? Apenas uma: a água de rio, mar ou lago que, obrigatoriamente, deve envolver o pé do rochedo. Bem-vindo ao deep water soloing, mais conhecido como psicobloc, uma modalidade da escalada esportiva praticada sem o auxílio de cordas, cadeirinhas, mosquetões ou qualquer outro tipo de acessório comum a escaladores que desbravam rochas e montanhas. É você, a pedra e nada mais. Se cair, resta a esperança de que a água o salve. E ela salva.

+ Os melhores destinos para trekking na América do Sul 

psicobloc

Foto: Red Bull

O único caso de morte que se tem notícia nesse esporte não foi bem durante a prática. Um escalador estava fazendo reconhecimento do paredão, descendo de rapel, quando caiu na água e morreu afogado. Ele se enroscou na corda e não conseguir vir à tona. Se bem que usar corda no psicobloc não é algo ético, mesmo para fazer o reconhecimento da rocha. Sem dúvida, o pioneirismo de se conquistar a parede de uma rocha é um dos elementos que mais atraem os adeptos dessa modalidade. Um estudo prévio dos “points” a serem desbravados, no entanto, é regra entre esses apaixonados pelo esporte. O que prova que eles não são tão loucos quanto nos levam a crer. “Por motivo de segurança, é preciso verificar se a água tem profundidade suficiente para amortecer a queda e se não há obstáculos, como pedras e corais nas profundezas”, diz Felipe Dallorto, escalador carioca e maior divulgador do psicobloc no país.

“A profundidade mínima aconselhada é de 4m. Se a escalada ultrapassar 15m, a água deve ter pelo menos 7m de profundidade.” Segundo Dallorto, as melhores rochas para se escalar são as de calcário que, além de sólidas, possuem agarras e buracos para apoio. Mas para a escalada ser psicobloc é necessário que o paredão a ser vencido tenha, no mínimo, 10 m de altura. E é por conta desse detalhe que a modalidade tem esse nome.

Doce tensão

Psico vem de psicológico. Uma alusão à tensão por estar a 10m de altura sem nenhuma proteção. Já bloc remete a bloco ou falésia. O escalador espanhol Miquel Rieira foi quem deu esse nome ao esporte, ao traçar, nos anos 1970, a meta de escalar uma falésia de 20m em seu país. Mas a origem da modalidade é datada dos anos 1960, quando escaladores espanhóis brincavam de subir rochedos de até 5m em Palma de Mallorca (Espanha) pelo simples prazer de despencar no mar.

Mallorca é até hoje o principal “point” do esporte no mundo. No Brasil, ele é praticado nas Ilhas Tijucas e Arraial do Cabo (Rio de Janeiro), e nos cânions do rio São Francisco.

psicobloc

Foto: Red Bull

Mas o que leva alguém a aceitar e, principalmente, a curtir tão ousado desafio? “A sensação de liberdade é um dos principais atrativos de uma escalada. No psicobloc, ela ainda é maior”, responde o espanhol Eneko Pou. Ao lado do irmão Iker, ele é um dos mais conhecidos nomes da modalidade no mundo. Para o mineiro Lucas, o psicobloc funciona como terapia. “Ele me proporciona muita paz, coragem e determinação. É uma atividade que geralmente você faz sozinho. E quando estamos sozinhos, é quando mais aprendemos sobre nós mesmos”, diz.

Bermuda, camiseta, sapatilha e nada mais

Liberdade também é a palavra de ordem ao vestir-se para a prática do psicobloc. Esqueça, portanto, qualquer roupa mais pesada que possa protegê-lo do contato direto com a rocha. Para que seus movimentos sejam livres e seu corpo não fique encharcado de suor, tudo que você precisa vestir é uma bermuda de tactel e uma camiseta de lycra ou suplex, usadas, por exemplo, em esportes como o ciclismo.

O único acessório diferente é a sapatilha própria para escaladas. Luvas? Nada disso. O contato dos dedos com a rocha tem quer ser direto. Para facilitar a aderência, evitando que o suor provoque “escorregões”, você deve passar carbonato de magnésio nas mãos, aquele pó branco que os ginastas utilizam para manterem-se firmes nos aparelhos. “Esse material fica em um saquinho preso na cintura do escalador”, diz Dallorto. Qualquer outra coisa que facilite sua escalada é considerada trapaça. Seria quase a mesma coisa que pegar carona em um carro durante uma maratona.

Despenque com sabedoria

O espanhol Iker Pou avisa: quando se despenca das alturas, a água pode ser tão “dura” quanto a rocha que você escala. “Antes de escalar grandes paredes, é preciso aprender como cair, posicionando o corpo de forma correta”, avisa. De fato, a água é um fator de segurança, mas não espere bater em algo mole, como um colchão inflável. Se você cai de mau jeito, pode se machucar. E como as quedas são inevitáveis nessa modalidade, melhor se preparar.

psicobloc

Foto: Red Bull

Nesse sentido, há duas regras básicas. Se a profundidade da água for inferior a 6m, é preciso evitar afundar demais. Assim, a queda deve ser feita em posição fetal: braços segurando as penas flexionadas próximas ao tronco. Se o local da queda for mais profundo, basta cair com o corpo esticado (braços próximos e elevados, pernas estendidas). A ideia é que você “fure” a água como se fosse uma agulha. Como você vai despencar várias vezes de pontos mais baixos, antes de se aventurar nas alturas, aprender a técnica de queda é uma questão de tempo.

Terapia de choque

Além de exercitar a mente em vários sentidos, o exercício que a modalidade proporciona fará muito bem aos músculos. Flexibilidade, força e resistência muscular são aptidões trabalhadas exaustivamente nas escaladas. E, acredite: é tanta adrenalina jorrando nas veias que metabolismo nenhum fica imune.

Loucura, esporte, brincadeira. Qualquer que seja a palavra que melhor defina o psicobloc, uma coisa é certa, ninguém vai praticá-lo de primeira. É preciso começar pela escalada esportiva convencional, com direito a corda, entre outros acessórios típicos do esporte. Pessoas que têm muito medo de escalar precisam de até um ano de prática antes de experimentar o psicobloc. Já os mais habilidosos e corajosos conseguem a façanha em até dois meses.

A melhor forma de aprender o esporte com segurança é procurar uma escola ou centros especializados.

Escrito por

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement

Últimas Noticias

Nutrição

O equilíbrio ajuda a manter esse tipo de alimento na dieta balanceada

Nutrição

São alimentos que precisam ser consumidos com moderação

Nutrição

Ambas bebidas podem oferecer alto teor de açúcar

Emagrecimento

Muitos profissionais dizem que é impossível dizer qual que se sobressai

Nutrição

Veja como algumas simples opções naturais podem promover um bom efeito anabólico no corpo

Treinos

O intuito desse conjunto de dicas é evitar que algumas falhas passam despercebidas

Advertisement

Você também vai gostar

Saúde

O respeito com esse tempo ajuda na performance

Treinos

A disciplina é necessária tanto dentro quanto fora do esporte

Esporte

É a época do ano que muitas pessoas se exercitam

Corrida

Essa modalidade vive processo de renovação constante