Coritiba: se reerguendo para retomar as rédeas

Depois de lutar para não cair seguidas vezes, chegou a hora do Coxa sonhar mais alto

Crédito: Divulgação/Coritiba
Crédito: Divulgação/Coritiba

Crédito: Divulgação/Coritiba

Depois de voltar à Série A em 2011, ano em que fez sua melhor campanha na era dos pontos corridos com 20 clubes, o Coxa tem lutado mais contra um novo rebaixamento do que por objetivos mais condizentes com um campeão nacional. E o pior é que sempre começa com times bons no papel, mas que dentro de campo acabam não correspondendo às expectativas.

Na atual temporada o script do Coritiba até aqui é o mesmo: elenco promissor e boa campanha no Estadual (o que, infelizmente, não é um parâmetro confiável). A torcida, porém, espera que no momento em que a bola rolar no Brasileirão o roteiro mude e o conturbado ambiente político do clube, que predominou no ano passado e prejudicou o time em campo, seja esquecido. No entanto, a diretoria do Coxa ainda luta para por as finanças em dia.

A fraca campanha de 2015 e o descontentamento de muitos jogadores com atrasos de salários motivaram um desmanche do elenco. Por outro lado, boa parte dos que saíram não agradavam a torcida e ficaram nomes importantes como o atacante Kléber, que faz um grande início de temporada e é um dos principais artilheiros do país neste ano, e o lateral Juan, contestado em outras épocas mas que tem atuado no meio-campo e parece ter reencontrado seu melhor futebol.

O atacante Leandro é outro que espera voltar a brilhar, após passagens apagadas por Palmeiras e Santos. Tem a missão de substituir Henrique Almeida, principal goleador do time em 2016. No gol, Wilson ganhou a sombra de Elisson, enquanto na zaga o experiente Rafael Marques e o paraguaio Cesar Benítez devem fazer uma dura disputa com Luccas Claro, Walisson Maia e Juninho. Ou seja, pintou uma defesa das mais sólidas. O meio-campo tem destaques como o paraguaio Cáceres e Dudu, revelado pelo clube e de volta após passar por clubes com Chapecoense e Criciúma.

Se não é um elenco que faz o olho do torcedor brilhar, tem potencial para dar liga se conseguir entrosamento, algo que depende muito do treinador. Por enquanto, essa missão está nas mãos de Gilson Kleina.

Os comentários estão desativados.

Recomendadas para você