Connect with us

O que você está procurando?

Futebol

3 fatos dificultam a chegada de Renato Gaúcho ao Corinthians

A torcida e o clube querem que Renato Gaúcho assuma o comando do Corinthians. No entanto, nem tudo é tão fácil quanto parece!

Renato Gaúcho no Corinthians? 3 fatos mostram que não é tão fácil
Foto: Shutterstock

Demitido no Grêmio no mês de abril, o técnico Renato Gaúcho virou o plano número 1 do Corinthians após a saída de Vagner Mancini no último domingo (16). A diretoria corintiana acredita que ele é o melhor nome para conduzir uma reformulação no elenco, que não deve contar com grandes contratações. O treinador, mesmo desempregado, ainda analisa as condições.

Pensando nisso, separamos alguns fatores que podem pesar para Renato Gaúcho não acerte sua contratação.

1 – Baixo salário: Nos 5 anos em que esteve à frente do Grêmio, Renato Gaúcho empilhou troféus. Libertadores, Copa do Brasil, Campeonato Gaúcho são apenas algumas das conquistas do treinador. Claro que elas vieram acompanhadas de renovações com aumentos salariais. O comandante chegou, inclusive, a ser apontado como o nome mais forte para a Seleção Brasileira caso Tite fosse desligado. Depois de tanto recebendo bem, o comandante pretende receber um salário que ultrapassa o dobro do que o Timão pode pagar. A distância entre os valores é alta e, nesse ponto, uma parte teria que ceder – e muito – para que o acordo viesse.

2- Nomes de peso: Nosso segundo fator está diretamente relacionado ao primeiro. No Tricolor Gaúcho, Renato se acostumou a recuperar experientes jogadores. Maicon, Cortez e Diego Souza são alguns dos atletas que chegaram em baixa e renderam bem com o comandante. Contudo, os medalhões sempre chegam recebendo altos salários, além de grandes valores em luvas pelo contrato firmado. A realidade do Corinthians é trabalhar com a base e o time não deve abrir espaço para esse tipo de reforço.

3- O ambiente – interno, externo e a cidade: Renato Gaúcho é adepto de um bom tempo de lazer e tranquilidade para aproveitar os momentos vagos. Algo que ele não deve encontrar na maior cidade do Brasil. O ambiente do clube é de muita pressão e temor, já que as promessas da base não desempenharam um bom papel por enquanto. Por fim, a maior pressão deve vir das arquibancadas. Enquanto no Grêmio ele é um ídolo (talvez o maior da história por unir conquistas como técnico e atleta), no Corinthians ele seria facilmente pressionado pela apaixonada torcida caso tenha uma série de resultados ruins no Brasileiro. Haverá disposição dele para suportar a pressão ou paciência dos fãs para não pressioná-lo?

Escrito por

Advertisement

Últimas Noticias

Eventos

Com o tema "uma odisseia sob as estrelas", prova é a queridinha do público

Eventos

Iniciativa tem o objetivo de unir dois mundos em um só

Eventos

Prova é aguardada por vários corredores amadores e profissionais

Eventos

É o tipo de prova que valoriza o trabalho em conjunto

Corrida

Os seus adeptos lhe definem como "exercício do prazer"

Saúde

Os benefícios desse esporte ultrapassam as quatro linhas

Advertisement

Você também vai gostar

Futebol

Estadunidense de 42 anos atua como vice-presidente executivo da MJE (Magic Johnson Enterprises)

Futebol

Depois de vencer a Inter de Limeira por 2 a 1 na última terça-feira (11), o Corinthians já garantiu uma vaga entre os semifinalistas

Bayard

Forte em casa, Timão quer provar que nem desmanche pode atrapalhar briga pelo hepta