4 hábitos para evitar o desequilíbrio muscular e alterações no esqueleto

Alongar, respirar até encher os pulmões e se levantar regularmente auxiliam a evitar desequilíbrios musculares e outros problemas no esqueleto

4 hábitos para evitar desequilíbrios musculares e alterações no esqueleto
Foto: Getty Images

É comum passar grande parte do dia sentado. Seja dirigindo, trabalhando, esperando no fila, enfim… Já demos dicas aqui no Sport Life, inclusive, de como melhorar sua postura durante o home office. Mas, você sabia que isso, além de dor nas costas, pode resultar em desequilíbrios musculares e alterações no sistema esquelético, diminuindo não só o rendimento laboral, como causando problemas à saúde?

Até mesmo pessoas que são muito ativas podem apresentar algum desses problemas, pois o tempo de atividade acaba sendo muito inferior ao período em que ficamos ‘parados’, ao estar sentado. O melhor a se fazer é mudar alguns hábitos. Nada muito complicado, apenas coisas fáceis e simples de incorporar na rotina para não dar chance aos desequilíbrio muscular.

No entanto, não só apresentamos possível problemas como também damos soluções a eles. Por isso, separamos aqui 6 dicas que irão te ajudar a evitar passar por esse mal.

Levantar: Descoque o bumbum da cadeira pelo menos de duas em duas horas. Basta subir e descer escadas, por exemplo. Além de reativar a circulação, favorecendo o retorno venoso, os seus músculos trabalharão, evitando que fiquem exageradamente retraídos e proporcionando um desequilíbrio muscular. Na medida do possível, evite elevadores.

Força na barriga: Trabalhe a musculatura profunda do abdômen. Tente empurrar o umbigo para dentro, reduzindo o diâmetro abdominal. Se conseguir automatizar esse gesto, vai sentir uma mudança muito rápida de postura. 

Respiração: Basta pegar o ar pelo nariz, até encher os pulmões ao máximo, sentindo a caixa torácica se abrir. Além de relaxar, o hábito libera a tensão das vértebras dorsais. Inspire três ou quatro vezes de forma lenta e progressiva e expulse o ar com força e rapidamente, para relaxar os músculos respiratórios.

Alongar: É sempre bom exercitar a coluna. Alongar os músculos evita encurtamentos, facilita a irrigação sanguínea e, sobretudo, liberta as terminações nervosas de pressões, impedindo episódios de dor, perda de sensibilidade e formigamento.

Visão do especialista

“As dores nas costas são provocadas pelo carregamento excessivo das vértebras e das pequenas articulações da coluna. Quando um nervo que segue para os membros é comprimido, aparecem dores que irradiam para as pernas e braços, como é o caso da ciática”, explica o ortopedista Manuel Enes.

A dor nas costas pode ser resultado de uma simples contração ou lesão – muitas vezes causada pelo desequilíbrio muscular – após um esforço excessivo a alterações degenerativas das articulações e da coluna, como artroses de variados graus de evolução progressiva, caso da hérnia de disco, por exemplo. “Apesar de haver causas frequentes para a degeneração excessiva, causada, por exemplo, por algumas doenças metabólicas, como o diabetes e o excesso de ácido úrico, é o sedentarismo, assim como problemas de postura que geralmente são os responsáveis”, afirma o especialista.

Os comentários estão desativados.

Recomendadas para você